A verdadeira criatividade está no nosso mundo interior, não nas coisas em si, mas no que elas representam para nós!

.posts recentes

. Esquecer...

. ...

. Osmose de Fantasmas...

. Vagas Palavras - Mistério...

. Catalisa-me...

. Vagas palavras - Pesco o ...

. És realidade...

. Olhar para Trás...

. Carência...

. Devo Amar-te?

.arquivos

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

Sexta-feira, 13 de Abril de 2007

Naturalidade? Zero!

Saudades de um amor inocente que um dia vivi.
 
Agora… não encontro a paz que me levará a acreditar em qualquer pessoa que tenha intenções de me amar.
Estou perdido.
Sinto o meu coração como um puzzle de muitas peças que aos poucos se vão perdendo, e que num certo momento, quando mais precisarei dele para amar alguém, as peças ou se perderam ou já não se encaixam umas nas outras.
 
Tudo era mais fácil quando não tinha de pensar se devia ou não sentir algo, se estava a ir depressa demais, se devia me entregar mais. Raciocinar os sentimentos foi algo que se apoderou de mim como uma defesa. Amar alguém não chega. É preciso que a outra pessoa esteja preparada para nos amar também, que esteja livre de pensamentos, de sentimentos, de algo que se possa intrometer. É preciso haver disponibilidade, e sobretudo… maturidade.
 
Agora entendo porque os adultos dizem para as crianças, isto é complicado para entenderes. Talvez elas não criem monstros em pensamentos amorosos, talvez sejam mais puros, inocentes, livres, talvez se deixem levar por aquilo que sentem, e não têm necessidade de fugir, esperar, renunciar… talvez sejam espontâneas, verdadeiras… talvez sejam tudo aquilo que eu precisava de ser para encontrar novamente a estabilidade, a homeostasia, da felicidade, do amor…
Talvez por isso eu não me sinta mais criança, talvez por ter aprendido que raciocinar os sentimentos é uma fase transitória para o mundo adulto. E como eu raciocino tudo o que sinto.
Lágrima Doce*
P.S - Naturalidade? Zero!
sinto-me: com um coração zarolho
música: Dialectos da Ternura - Da Weasel
tags:
publicado por CMS às 21:44
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Azulinha a 15 de Abril de 2007 às 01:46
Leio-te com a tristeza de alguém que sente algo semelhante... O teu coração é um puzzle? O meu é uma peça de porcelana... Que se partiu... Mesmo colada notam-se as marcas e vão se notar sempre... E existem sempre pequenas partes que se perdem... Arestas que não encaixam como deviam...
Hoje sinto-me triste... Gostava de te animar mas não consigo... Desculpa!
Bjinhos grandes!

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds