A verdadeira criatividade está no nosso mundo interior, não nas coisas em si, mas no que elas representam para nós!

.posts recentes

. Esquecer...

. ...

. Osmose de Fantasmas...

. Vagas Palavras - Mistério...

. Catalisa-me...

. Vagas palavras - Pesco o ...

. És realidade...

. Olhar para Trás...

. Carência...

. Devo Amar-te?

.arquivos

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

Domingo, 30 de Setembro de 2007

Vagas Palavras - Mistério das Estrelas Cadentes...

Todos nós já ouvimos falar em estrelas cadentes, certamente nas suas histórias e nos seus desejos concretizados.
A verdade é que esses desejos não se concretizam apenas pensando neles, naquele momento em que visionamos a brilhante estrela rasgar a escuridão. É preciso acreditar que esse desejo é mesmo aquilo que queremos e não apenas mais um capricho momentaneo.
Assim sendo, deviamo-nos preocupar em realizá-los e ter coragem em assumir que vamos lutar por eles, e não ficar a espera que caia lá do infinito uma estrela que nos traga a felicidade.
Existe um muro em torno de cada um de nós. Um muro que vem encomendado desde que nascemos. Esse muro é construido inconscientemente por cada um de nós em todos aqueles momentos em que deixamos de acreditar em alguma coisa que para nós era importante. Desde muito pequenos que nos deixamos iludir pela vida e acreditamos nas mais diversas coisas, até ao momento que começamos a tomar consciência que afinal o mundo onde viemos parar não é perfeito. Essa inconsciência, que vai construindo o muro que cerca os nossos horizontes, coloca uma camada de pedras, ao longo do muro, cada vez que nos desiludimos. E assim vai crescendo e se desenvolvendo uma barreira à nossa volta. Nos primeiros anos, ainda conseguimos saltar de vez em quando e acreditar novamente, mas à medida que essas desilusões continuam, o muro continua também a aumentar as suas camadas de pedras, até chegar a um ponto que não conseguiremos saltá-lo novamente. É nesses momentos que a vida deixa de ser credivél, perdemos a magia de viver e deixamo-nos cercar por esse muro.
É nesses momentos que ainda mandamos uns palpites, direi que sem muita fé, quando vemos a tal estrela cadente deixar o seu rasto pela noite.
Mal sabemos nós a complexidade que essa estrela pode trazer à nossa vida...
 
Será que somos nós que vemos as estrelas lá em cima?
Ou será que são as estrelas que lá de cima olham para nós?
 
Será que as estrelas que caiem lá de cima vêm por mero acaso?
Ou será que são enviadas quando nós precisamos de uma nova coragem para saltar o muro e acreditar? Como uma nova oportunidade...
 
Depende da imaginação de cada um...
Depende das experiências vividas e da densidade do muro que cada um tem em seu torno.
 
E se uma noite, em que essa estrela é enviada, decimos que vamos passar as nossas fronteiras e lutar por aquilo em que acreditamos, aquilo que nos pode trazer a felicidade e que sempre sonhamos?
 
O muro que nos cerca, divide a nossa vida de uma nova experiência, divide a nossa vida de uma magía única.
É essa a diferença de olhar uma estrela cadente. A diferença entre esperar que ‘caia do céu’ e procurar a estrela perdida para encontrar-mos a felicidade.
Lágrima Doce*
sinto-me: estrelado
música: ilumina-me - pedro abrunhosa
publicado por CMS às 21:38
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds